segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

foi em março


irritado, disseste: esta não é a altura para falarmos, falamos depois.

até hoje.


não olho para ti, mas vejo-te. tenho medo de mim se olhar. e se me atiro para os teus braços?

ontem olhei e constatei estás tão enganado, mas tão enganado. não tens alguém que te faça ver isso? acho que o problema é mesmo esse: eu era a única que te fazia ver as coisas como são, isso incomodava-te e por isso afastaste-me. deve ser isso: afastas as pessoas que te lêem a alma e que percebem um pouco disto tudo.

★‏

★‏



terça-feira, 28 de novembro de 2017

era lógico


que para a gaja voltar, tinhas que pôr a outra no lugar. Deixou de aparecer, um ou dois meses depois meteu-se cá a outra. depois veio uma terceira, desconfio que a gaja descobriu  e voltou. tal e qual como te disse que ia acontecer. disse-o em março e no são joão... voilá. só não me sai o euromilhões. que doença que foste arranjar, só é pena que arrastes tanta gente para esse manicómio.

redundâncias da vida


assiste-me o direito de estar magoada, só não tenho o direito de magoar-te com a minha mágoa.

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

envelheces e azedas


vê-se ao longe. do outro lado da rua.
com a outra era diferente.
com a do meio não consegui ver. só reparei que era tirada a papel químico da primeira: parecia gémea. outras existirão, mas não quero nem saber.

isso tem tudo para acabar mal


esperemos que não seja outro ser.

e quando


entro no elevador e sinto que acabaste de sair dali pelo cheiro.

o cheiro, ai o teu cheiro. por vezes, quando não tenho pressa e a saudade é muita, ali fico alguns minutos só a sentir a cheirar-te.

domingo, 26 de novembro de 2017

Pareço meio doida


com o que andei para aqui a escrever nas últimas horas. desculpem-me, mas ando com isto aqui - atravessado - há dois anos. ele não lê isto, o outro blogue é secreto e acho que esta partilha irá fazer-me bem. espero... foi uma espécie da catarse. desculpem-me. vou voltar ao silêncio ou então, volto e escrevo do que me vai na alma: ele.


acabei de precisar da tua arca congeladora para o arroz de pato que sobrou da festa da MC e não pedi. Como vês, sempre a tua tranquilidade primeiro. Nem imagino o que aconteceria se o pedisse. Tudo é um filme. Amanhã ofereço-o a uma família inteira. Que jeito me daria se o guardasses. Preferes manter...
Que diferença faria uma travessa na terceira gaveta sempre vazia. A mesma onde guardei o pão, quando caíste. Fazes as opções que te parecem corretas, querem-me parecer é que ao fim de oito anos - de tentativas - não me parecem as mais acertadas. Lá chegarás...

Queres maior prova de amor?


que uma mulher que tudo grita, calar-se por ti?

Tanta coisa que ficou por fazer:


- beber o bagaço [ahahahahahahaahah] com a «nossa» Mónica, que já nem lá trabalha;

- ir ao Rio Douro pescar numa destas manhãs;

- o banho. a mensagem do banho :-) ;

- aprender a gravar cds;

-  o jogo do e-mail;

- comer castanhas no spot;

- veres aquela janela [junto ao farol] comigo;

- voltarmos a beber um copo de água antes de ires para o Algarve;

- virmos cá jantar massa carbonara;

- ensinares-me a ouvir outro género de música [embora, já tenha alguém que o faça, certamente não a tua];

- nunca mais me ofereceste o teu carro para levar a MC;

- nunca mais guardaste um lugar à porta de casa;

- nunca mais te perguntei [atarantada] como é que se abre a porta do elevador;

- comer sashimi até rebolar;

- voltar a ver o livro do  Mario Benedetti, que perdeste;

- enriqueceres-me por seres ateu e eu católica;

- fazeres-me crescer por seres de esquerda e eu de direita;

- fazeres-me sair da caixa por veres o mundo com esses olhos que nada têm que ver com os meus.


{continua}

Quando foi dos incêndios




Foste para Tondela e eu enviei-te uma mensagem que dizia qualquer coisa como: Tem cuidado. Pelo amor da Santa o país está em alerta vermelho. Vem com cuidado.

Agradeceste. No dia seguinte, cruzámo-nos e repetiste o agradecimento pela preocupação. Não foi só preocupação: foi o meu amor por ti e o medo. O medo que algo te aconteça e que não possa dizer-te tudo isto que aqui escrevo. Não posso dizê-lo, porque não queres, porque não deixas aproximar-me. Para mim que até há dois anos tudo gritei - deixei de fazê-lo porque mo impuseste - e manifestei. Não imaginas a dor que é não partilhar isto com alguém. Tu já imaginas o que se passa dentro de mim, tu que já foste o meu melhor amigo.

Até aqui


Mudei-me para esta casa - também - por ti. Ainda assim, vêm deixar marcas de tudo, aqui à porta. De tudo. E eu saio feliz, mas está aqui tudo: à porta de minha casa, tento ignorar, mas não consigo. À PORTA DE MINHA CASA, foda-se! Tanto lugar no mundo para deixarem rasto, mas não: tem que ser à porta de minha casa. E eu levo o tranco em frente. Que remédio tenho eu. Mas, não queiras ser meu amigo. Nem a minha amizade mereces e eu só tenho amor para te dar.

Imagina-me


a sonhar contigo todas as noites, acordar a pensar se tudo aquilo foi verdade ou não, ver-te mal saio de casa e ter que fingir que nada daquilo se passou durante a noite. Passo por ti e esboço um sorriso - quando consigo, que às vezes é impossível por causa do sonho - digo-te bom dia e arrepio caminho. Consegues fechar os olhos e imaginar o que sinto? Imagina, só. Muito faço eu: sorrir.

Agora noutro registo


Quando nos cruzamos, não estranhes eu não parar. Não posso. Se parar e olhar para ti [ há tanto tempo que não o faço] vou atirar-me para os teus braços. Coisa que. com toda a certeza, não quererás.

Um dia passou por aqui e deixou um comentário




Num dia muito longínquo: um dia em que este blogue ainda era aberto a comentários. Foi há muito, mas muito tempo.
Só o imagino a sorrir. Sempre um achei um profissional brilhante e um gato. Desde que soube da sua morte, ainda não parei de pensar nele. Nunca tive o gosto de conhece-lo pessoalmente: trocámos uns galhardetes, por aqui, pela blogo. Educado e sorridente é assim que vou lembrá-lo e desde anteontem imagino-o a chegar aonde está agora, com Nina Simone a tocar, um copo de tinto a acompanhar e a escrever numa revista qualquer. Que em qualquer parte são precisas palavras escritas e comunicadores como ele.

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

naquela manhã,


deve estar agora a fazer um ano, pediste-me ajuda. Já não o fazias há muito. [lembro-me de há uns oito anos teres-me mandado uma mensagem a pedir chá porque estavas doente. desde aí nunca mais precisaste (?) de mim]. Tinhaste magoado no treino e não conseguias andar. Fiz por ti o que faria por qualquer pessoa que passasse por mim na rua: carreguei-te até ao elevador e fui à farmácia comprar um analgésico. Trouxe, também, pão e leite. Sempre detestaste este meu cuidado contigo; sempre achaste que me impunha a cada gesto. Nunca o fiz com essa intenção: fi-lo sempre pelo amor que sentia sinto por ti. Quantas vezes não ajudei à distância? Lembro-me que cheguei a mandar o almoço / jantar pelo elevador. Nunca me impus e por não me impor é que morri naquele abraço que me deste

Cheguei da farmácia e tu já tinhas tomado banho, apareceste-me de cuecas e eu vesti-te já que não conseguias mexer-te, calcei-te e quando encaixaste o segundo pé na sapatilha, levantaste-te com a minha ajuda. [reparei que a fotografia dela estava na tua cómoda e morri]  Afastei-me - tive sempre presente que querias e queres a distância - e quando estavas em pé, pediste-me um abraço para me agradeceres. Abriste os braços, aproximei-me e deixei-me envolver. A merda do meu coração -  que sempre foi livre - começou a bater desesperadamente. Eu, com medo que sentisses [ele batia forte no meu peito, eu via-o debaixo da camisola], tentei manter-me dura, afastei-me com um perímetro de segurança, respirei e e desembaracei-me dos teus braços, mas sempre com a preocupação do que tu achas que eu sinto, voltei a abraçar-te, sem antes, contar uma história que o meu mogli me tinha contado dois dias antes. Tudo para disfarçar o que estava a sentir. Não sei se consegui. Tinhas uma escritura nesse dia. insisti para irmos ao hospital, e tu como bom workalcoholic, respondeste que nem pensar.

No teu carro tinhas a mão nas mudanças, olhámos-nos fundo e ainda repeti que podias sempre contar comigo. Não confessei o meu amor por ti, não posso fazer-te essas coisas. Foste fazer a escritura e eu fui trabalhar. Ainda falámos mais uma ou duas vezes durante o dia. Controlei-me. Mas, ao fim do dia a minha preocupação veio ao de cima e passei lá por casa e vi que o carro da minha substituta [da amizade] lá estava. Deitei o jantar que trazia para dar-te ao lixo. Aí apercebi-me de muita coisa, nomeadamente que substituís as pessoas. E não sou assim. Até posso estar errada, mas foi o que passaste e nunca quiseste remendar o facto.

[continua]

será que é desta que volto a escrever? Bloqueei há quase 3 anos: quando cá chegaste deste-me um beijo, fugiste e 30 minutos depois confessaste que o que mais querias era aqui ficar: comigo.

sexta-feira, 3 de novembro de 2017


o sexo era do outro mundo, mas só pelo sentimento que ela tinha por ele. só por isso. ela preenchia o vazio com amor.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

★‏


daí o silêncio.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

★‏


para o meu amor. aquele que não sabe que o é.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

domingo, 19 de março de 2017

sábado, 18 de março de 2017

Confia



houve alturas que desconfiei da minha intuição - poucas, devo confessar, mas duvidei. em relação a esta, sempre, senti: que a admiração era mútua. hoje acordei com a certeza que é, confessaste a interposta pessoa que sou especial e esboçaste um - franco-  sorriso enquanto o dizias. Quem sabe nos encontremos mais à frente: quando a nossa alma estiver alinhada {será que isso existe? }.

quarta-feira, 15 de março de 2017

private post


quando conheceres um homem que escreva - muito! - bem: rouba-lhe um beijo e espreita-lhe um pouco mais a alma.

segunda-feira, 6 de março de 2017

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

passaram-se 2 anos e 3 meses


Num ato de amor puro, há 2 anos e mais qualquer coisa, pus o DIU. Foi um ato de amor com explicações que guardo para mim porque não interessam a ninguém. Nem o ser amado alguma vez soube disto. Hoje, num ato de profundo amor a mim própria fui tirá-lo. E que feliz que estou.

nota: o mirena engorda comó o raio, pá. 

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

★‏


Para a Sofia.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

domingo, 29 de janeiro de 2017

★‏

« Carrego seu coração comigo
Eu o carrego no meu coração
Nunca estou sem ele
Onde eu for, você vai, [...]
Não temo o destino
Você é meu destino, meu doce
Não quero o mundo pois, beleza
Você é meu mundo, minha verdade
Eis o segredo que ninguém sabe
Aqui está a raiz da raiz
O broto do broto
E o céu do céu
De uma árvore chamada vida
Que cresce mais do que a alma pode esperar
Ou a mente pode esconder
E esse é o prodígio
Que mantém as estrelas a distancia
Carrego seu coração comigo
Eu o carrego no meu coração»


Edward Estlin "E. E." Cummings

★‏




quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Dos sonhos que um dia podem vir a ser realidade: estas palavras e escrever assim. Este último mais difícil:



Súplica

Agora que o silêncio é um mar sem ondas,
E que nele posso navegar sem rumo,
Não respondas
Às urgentes perguntas
Que te fiz.
Deixa-me ser feliz
Assim,
Já tão longe de ti, como de mim.

[...]

Mas o tempo passou,
Há calmaria...
Não perturbes a paz que me foi dada.
Ouvir de novo a tua voz, seria
Matar a sede com água salgada.

Miguel Torga, in 'Câmara Ardente'

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

para mim:


★‏★‏


diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és.

★‏


à mulher de césar não basta ser, também é preciso parecer.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

★‏

« {...} Há alturas em que eu sei que, se nada for dito, nada se estragará.».

Miguel Sousa Tavares

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

o meu desejo de natal


foi o único presente de natal que desejei realmente: o teu cheiro e a tua barba a roçar na minha cara. não queria beijos, não queria mais nada: só sentir o teu cheiro e essa barba mal amanhada a roçar em mim. não se concretizou. felizmente o natal passou. o desejo...

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

foda-se, foda-se, foda-se

como é possível assistirmos a isto de braços cruzados?

http://observador.pt/2016/12/13/este-pode-ser-o-meu-ultimo-video-as-mensagens-de-despedida-dos-residentes-de-aleppo/


Foda-se. Puta que pariu esta merda toda. Estou com o estômago embrulhado e farta de chorar.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

sábado, 15 de outubro de 2016

Ando perdida de amores por Eugénio de Andrade

{Re} descobri Eugénio de Andrade há uns poucos de anos, a propósito deste poema:

«Creio que foi o sorriso,
o sorriso foi quem abriu a porta.
Era um sorriso com muita luz
lá dentro, apetecia
entrar nele, tirar a roupa, ficar
nu dentro daquele sorriso.
Correr, navegar, morrer naquele sorriso.».

Fui explorando melhor a obra. Esta semana entrei num alfarrabista à procura da 1ª edição de um livro dele: «O outro nome da terra» para oferecer. Perdi-me à conversa com uma rapariga que me atendeu: a Isabel. Quando ela declamou [de cor] este:

«Há um pequeno sismo em qualquer parte
ao dizeres o meu nome.
Elevas-me à altura da tua boca
lentamente
para não desfolhares.
Tremo como se tivera
quinze anos e toda a terra
fosse leve.
Ó indizível primavera».

Arrepiei-me e fiquei com os olhos rasos de água. A obra deste homem é brutal. De uma beleza, de uma candura absolutamente estonteante.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

do amor:



deixei um pão na segunda gaveta da arca. não te avisei. queria que o comesses: só bebeste o leite. avisei a Paula, mas ela não deve ter-te dito. não te perguntes de onde veio o pão: veio do meu coração. já fermenta há demasiado tempo e eu a rezar para essa merda queimar, mas está bom de se ver que só vai congelar. espero que a congelação se cinja ao pão.

do amor:



fiz-te sopa. a puta do voltaren vai dar-te cabo de tudo e eu vou sempre preocupar-me contigo, mesmo de longe. mas, alguém a levou por mim. não há problema: comi-a. gostava mesmo era de comer, mastigar, triturar este sentimento que tenho por ti. mas, já percebi que só o tempo o conseguirá. não vou perder o foco: esquecer-te.

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

segunda-feira, 4 de julho de 2016

quarta-feira, 1 de junho de 2016

aviso à navegação:

às mães e pais que poucas vezes «mexem» no CC dos filhos e que estes vão ter exames. vejam, por favor, se os cartões do cidadão dos vossos filhos não caducaram. ;-) já podem imaginar o que aconteceu cá por casa :-) espero que em 17 dias a coisa se resolva.

proantos, lá vou ter que pagar 30 euros pela urgência. as esganiçadas invés de estarem preocupadas com a validade ridícula do cartão [5 anos] preocupam-se com nomenclaturas... enfim...

sexta-feira, 20 de maio de 2016

foda-se


Alguém se lembrar de criar um grupo no whatsapp às sete da matina a propósito de uma festa é top. Desconfio que o grupo tem mais de 100 pessoas o que também é bom... o dia promete.